quarta-feira, 28 de abril de 2010

Melk-Zda : O estilista Melk- ZDa apostou sem dó na tecnologia e fez um desfile cheio de formas e estruturas. Com inspiração na carpintaria, ...

4° dia de Desfiles do Dragão Fashion Brasil 2010

Um comentário:
 
Melk-Zda: O estilista Melk- ZDa apostou sem dó na tecnologia e fez um desfile cheio de formas e estruturas. Com inspiração na carpintaria, os tecidos possuem tramas que lembram ripas de madeira ou palhas. O efeito é incrível, mas pouco provável de se usar por aí. As cores escolhidas foram o laranja, azul turquesa, ouro, lilás, marrom e cinza misturados entre sim deu um resultado bem legal. Os vestidos são na parte de cima ajustadérrimas e na parte de baixo volumes mil! As calças são sequinhas e os casacos tbm, que aparecem curtos e compridos. A Profashional adorou os casacos e vestidos flex, que viravam outras peças na passarela! Super lindos! Nos pés open boots.






Cristiane Gomes: A coleção "Traçados de uma vida" nos mostrou como é chique e belo o trabalho manual. O crochê, as rendas e o tressê de linhas deram formas e texturas diferenciadas às peças da coleção. Lindas as flores de fuxico aplicadas em vestidos, saias e casacos. As pedrarias tbm estiveram presentes e deram um ar mais ousado ao clima certinho que estava o desfile, que tinha um colorido bem lolita: azul, lilás, roxo, salmão e branco ou tons de dourado. As formas eram acinturadas e ajustadas ao corpo, dando um ar cinquentinha às peças. Objeto de desejo: as bolsas de palhas. Lindas!





Dona Florinda: Rock glam é o tema da grife Dona Florinda para este inverno. Tachas, brilhos, texturas e tudo que o bom glamour-atitude precisa ter para as meninas que curtem essa pegada gostar e querer ter todas as peças da coleção: Saias e vestidos curtos, jaquetas e coletes perfectos, corsets, jeans sempre skinny manchado bem a cara dos anos 80, legging de cirré ou cheias de tachas, maxi t-shirts para serem usadas como vestido estão presentes nesta coleção que é puro glitter. As cores para este inverno da marca variam entre o preto, vermelho, verde e branco. A estamparia ficou por conta de figuras que pareciam cartazes de shows bandas de rock e xadrez. A Profashional gostou muito da blusa segunda pele toda tatuada com a boca do grupo Rolling Stones. Rock'n roll na pele já!





Ronaldo Silvestre: O clima era de final do séc XIX no desfile de Ronaldo Silvestre. Margaretha Zelle, a holandesa mais conhecida como Mata Hari, fuzilada como espiã em 1917 na França, foi a grande inspiração para esta coleção de inverno. As peças tinham todas um toque das vestimentas que se usavam na época que Mata Hari nasceu, em 1876. Para as mulheres, rendas, paetês e cetim foram super explorados em saias e vestidos curtos ou na altura do joelho e casacos. Para os homens, calças jeans com uma pegada super legal: Elas tinham um tipo de efeito trompe l'oeil, ou seja, como se outra calça estivesse dentro dela aparecendo apenas o cós de uma delas. Muito interessante e parece que essa moda irá pegar, heim? A paleta de cores variavam entre o preto, branco, cinza, verde e caqui, com o xadrez e o manchado pontuando alguns looks. Destaque para os suspensórios que seguravam as meias das meninas e dos meninos, um charme. Nos pés, sandálias ou oxford para elas e botas de cano baixo para eles.





Gustavo Silvestre: A primeira parte do desfile de Gustavo Silvestre teve como personagem principal o jeans, que surgiu em camisas, calças e vestidos na maioria das vezes no tom lavado ou preto envernizado. Já a segunda parte, que eu achei mais interessante, eram os casacos, casaquetos, saias, maxi-blusas e vestidos feitos de jacquard bem grosso com desenhos sinuosos, que se misturaram entre os jeans da primeira parte. As cores variavam entre os tons terrosos, turquesa, preto e caqui. A estamparia, que lembravam azulejos portugueses, surgiu em batas leves e vestidos curtos super lindinhos. A renda e o shantung também esteve presente em alguns looks do desfile. Nos pés, open boots ou over the knee boots.





Lino Villaventura: As modelos criaram asas no desfile de Lino Villaventura. A sua imaginação sempre fértil fez do tule, das rendas, da seda e da organza bordados, nervuras e um monte de outras formas e texturas que o estilista adora fazer em suas coleções sempre extremamente criativas. Sem falar nas penas, que deram a impressão que as roupas flutuavam na passarela. Pura arte! Neste inverno, Lino fez uma coleção menos fantasiosa e mais usável. Vestidos longos ou curtos super sexies, patetós acinturados que fizeram as modelos parecerem ter cinturinha de pilão e trench coats que são simplesmente incríveis fizeram o inverno do estilista. A Profashional adorou o tailleur justinho que daria para ser usado em muitas ocasiões. Nos pés, sapatos peep toes cheios de penas e brilhos. Um luxo só.





Por Dani Rodrigues do Miscelanium Fashion
Foto: Roberta Braga Studio/ Osvaldo F. / Ricardo K.

Um comentário: