quinta-feira, 1 de outubro de 2015

* Raquel Serafim É bastante comum, e recomendável, que empresas contratem uma agência de Relações Públicas para melhor se relacionar...

5 dicas para você se tornar seu próprio Relações Públicas

Nenhum comentário:
 
* Raquel Serafim

É bastante comum, e recomendável, que empresas contratem uma agência de Relações Públicas para melhor se relacionarem com seus públicos: os seus steakholders. Os principais motivos que os levam a buscar esse tipo de serviço são ampliar as possibilidades de negócios com os mercados, e, é claro, manter um bom relacionamento com eles na maior parte do tempo. Mas pensando bem, quem é que não precisa saber se relacionar com seus variados ‘públicos’? Quem é que não quer aumentar suas chances de uma indicação de emprego ou de ser chamado para determinado projeto? 

Qualquer pessoa, ao longo da vida, vai passando por diferentes fases, seja por um novo trabalho, mudança de residência e qualquer outro motivo que o faça deixar para trás pessoas e o coloque diante de novas possibilidades. Conheça cinco dicas de ouro para que você aproveite melhor desses antigos e novos relacionamentos que se estabelecem, e possa criar para você mesmo novas oportunidades. 

Organize-se: Se você não tiver tempo de se dedicar um pouco a essa tarefa, ninguém mais o fará. Por isso, é recomendável que este seja um compromisso semanal (ou quinzenal) na sua agenda. Com dia e hora para acontecer. Caso contrário, esta será apenas mais uma das suas tarefas que um dia, quem sabe, serão feitas. 

Entenda seus objetivos: Quer fazer um mestrado? Abrir uma empresa? O que você quer? Entender, nos diferentes campos da sua vida, quais são seus objetivos e em quanto tempo gostaria de alcançá-los, será parte essencial para que você consiga criar uma boa estratégia. Cuidado para não ser muito ousado com as suas metas, pois se ao longo do processo você as sentir distantes demais, acabará desistindo! 

Defina prioridades: Depois de definir seus principais objetivos, faça um mapeamento de todas as pessoas que passaram e que estão na sua vida atualmente. Entenda quais delas podem, de alguma forma, te auxiliar a dar um passo a mais em direção aos seus objetivos. Veja como está seu grau de relacionamento com ela (crie uma escala própria, de 0 a 5, por exemplo, e entenda quais estão mais próximas e quais estão mais distantes). 

Defina temas e assuntos que os conectem, e se mantenha a par deles sempre que possível, dessa forma você poderá retomar os contatos de forma natural. Agora será a vez de estabelecer prioridades. Cabe a você definir se vai começar a lutar por um objetivo que está mais distante, mas as pessoas mais próximas, ou o contrário. 

Estratégia: Assim como as pessoas que você mapeou acima, existem outras, que talvez você ainda não conheça, que podem ser uma ‘peça’ essencial para que seu objetivo seja concluído. Será necessário criar uma estratégia para que vocês se conheçam e para que, a partir desse encontro, possam seguir conversando. 

Imagine que seu objetivo seja um mestrado em uma faculdade x, e que dentro da sua área de pretensão, exista um professor que você considera ´ô’ cara. O primeiro passo da sua estratégia será se informar sobre a trajetória que ele trilhou, materiais que ele escreveu/publicou e eventos (palestras, workshops, etc.) que ele participará. Com essas informações, você se programa para frequentar esses eventos, e aos poucos, vai provocando uma aproximação. Em um possível encontro você pode, por exemplo, citar algo que leu e que gostou que ele escreveu e dizer que gostaria de ampliar esse debate com ele, e verifica se há abertura para um novo canal de comunicação. A mesma lógica serve para o seu círculo de pessoas. 

Entenda o que você tem para oferecer: Agora que você já sabe quem são as pessoas que precisam fazer parte do seu caminho até seus objetivos, que já conhece os interesses de cada uma delas e já iniciou ou retomou o contato com elas, é hora de verificar que você pode oferecer para ajudá-las em algo. Doar seu tempo é sempre uma boa forma de aproximar pessoas. Faça pelos outros aquilo que você gostaria que fosse feito por você. 

Não se pode garantir que todas as pessoas que você ajudar irão ajudá-lo em retorno, mas, é bem possível que você descubra gratas surpresas nesse processo, e que pouco a pouco você consiga gerenciar melhor seu grupo de relacionamento e fiquei cada vez mais perto de seus objetivos. 

* RAQUEL SERAFIM – Jornalista e Diretora de Estratégias da Anunciattho Comunicação. Formada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), tem pós-graduação em Gestão de Negócios – com ênfase em Marketing – pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).www.anunciatthocomunicacao.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário