quinta-feira, 8 de outubro de 2015

No nono – e último – dia da semana de moda de Paris de verão 2016, os aguardados desfiles da Louis Vuitton, Moncler e Miu Miu agitaram as b...

Último dia de desfiles na capital francesa

Nenhum comentário:
 
No nono – e último – dia da semana de moda de Paris de verão 2016, os aguardados desfiles da Louis Vuitton, Moncler e Miu Miu agitaram as badalações finais da capital francesa, que se despede das presenças dos fashionistas.

A Moncler uniu o classicismo ao esportivo com bastante delicadeza. Sob a direção de Giambattista Valli, a maison apresentou um verão 2016 bem romântico com vestido brancos bordados, saias volumosas, transparência, calças curtas, dentro de um jardim florido como cenário.


A Miu Miu reforçou as tendências da estação já propostas pela Prada na semana passada – sobrepor leves e translúcidas camisolas sobre tricô.



“O mundo está ficando muito irracional”, afirmou Muiccia Prada após o desfile de primavera-verão 2016 da Miu Miu. Coisas que em teoria não fazem sentido, andam juntas, o que precisa ser bom, de repente não é mais e o que você achava que podia falar e fazer, de repente pode mais. 

Essa foi a coleção mais invernal apresentada na temporada de verão – trench coats, calças, botas, saias longas, jaquetas de couro e até peles.

Segundo o jornal “The Telegraph”, essa coleção chega às lojas em janeiro, antecipando em alguns meses em relação ao resto do mercado. Por isso, faria todo o sentido, as roupas mais invernais.

Enquanto isso, a coleção de verão da Louis Vuitton foi totalmente inspirada na alta tecnologia, com um cenário impressionante montado dentro da Fondation Louis Vuitton. Com projeções que mudavam a cada momento chave do desfile, telões em volta da passarela e telas de acrílico no meio dela tornou o desfile um show tecnológico. 


“Vamos para um lugar onde tudo é feito em blocos. Onde o único limite é a sua imaginação. Vamos para qualquer lugar que você queira. Ninguém pode te dizer o que você pode ou não fazer. Sem regras para seguir, essa aventura depende de você.” A narração em off que deu início ao desfile passava a mensagem da Louis Vuitton de Guesquière sobre a relação com o novo mundo digital: liberdade de escolha para construir o seu próprio repertório a partir de infinitas possibilidades de informação.

Na passarela, maxiblusas de algodão com os punhos franzidos, short-saias em pufe que invocavam as roupas de baixo foram “quebradas” por maxicoletes de couro e sapatos de borracha e tacha. O top crooped usado bem ao estilo anos 90, com shorts e calças com pegada esportiva de cintura baixa, mostrando o umbigo foi um dos destaques do desfile.

Nenhum comentário:

Postar um comentário